Desert Trip – Oldchella
Relato de uma experiência incrível!



festival-dersert-trip-festival

 

A ideia do festival começou quando um ex-colega de hostelworld postou no facebook em março de 2016 o lineup do Festiva Desert Trip. Eu simplesmente não levei a sério, jamais imaginei algum dia ver todas essas lendas do rock, galera que conta a história do rock n’ roll.


Line Up 

Sexta  Bob Dylan  –  Rolling Stones

Sábado  Neil Young  –  Paul Mccartney

Domingo → The Who  –  Roger Waters

 

Sabendo que tudo era verdade, me atentei ao dia que abririam as vendas dos ingressos, pois essa seria minha única barreira. O valor dos ingressos estavam por 500 dólares os três dias já com as taxas. Um valor alto, porém ótimo se pensar que seria o segundo fim de semana mais foda depois do Woodstock.

desert-trip-2016-california
Lineup Desert Trip 2016

A venda para o festival foi aberta em maio, dois meses depois que descobri sobre o festival, e cinco meses antes do primeiro show.

A abertura das vendas se deu no dia 9 de maio ao meio dia (horário da Califórnia), e em poucas horas depois da abertura, os 25 mil ingressos diários estavam esgotados. Conseguir as entradas para o festival Desert Trip foi uma missão quase que impossível. Bom, para mim foi, e eram dois, um para mim e um para Claudia.

Quando entrei no site para comprar, outras centennas de milhares de pessoas estavam fazendo o mesmo. Cliquei no passe para o primeiro fim de semana e lá fiquei quatro horas na ”fila” online até receber a confirmação que havia sido esgotado.

tickets-desert-tripEu já havia me conformado que não daria mais, que já era. Na hora seguinte pessoas vendendo por valores altíssimos no graglist. Três dias depois, recebi uma ligação de um amigão, o André(zão) me alimentando essa esperança.

Ele havia encontrado 3 dias depois online por 600 dólares o fim de semana do Desert Trip, cem dólares mais caro. Pensamos, ”o que são cem dólares divididos em uma experiência única de vida?” NADA. Compramos 3 entradas para o primeiro fim de semana de Desert Trip!! Estávamos no jogo novamente… 🙂

Ingressos comprados, começamos a nos organizar e planejar uma Road Trip pelo velho oeste americano 2 semanas antes e do Desert Trip.

Esses ingressos nos deram sustos até o último minuto. O André havia comprado, porém foi entregue no Brasil quase de último minuto. Enviaram as entradas uma semana antes do festival, e nós já estávamos em road trip.

Um outro amigo nosso fez o corre em São Paulo para buscar esses ingressos e enviar por correio para casa de um outro amigo em San Diego, já na Califórnia. Com isso pegaríamos em nossa última cidade da road trip. E foi exatamente assim que aconteceu. Tivemos as entradas em mão apenas dois dias antes do festival.

De San Diego partimos para Colton, onde alugamos um Airbnb para passar o fim de semana e curtir os senhores do rock. A casa ficava a uma hora do festival, o que era muito ruim na hora de voltar, mas mais perto não havia nada, tudo esgotado, isso já reservando com antecedência.

ga-desert-trip-indio-2016
General Admission – crédito: Claudia B.

 

Festival Desert Trip

Antes de descrever dia por dia, eu gostaria de enfatizar a estrutura e organização do evento.

O Festival se passou no Clube de Polo na cidade de Indio, em um vale incrível! Rodeado de montanhas pelo horizonte, palmeiras também davam o ar da graça na decoração natural. Sem contar o por do sol e a cor do céu. Magnífico!!

O espaço do evento era muito grande, tão grande que as 25 mil pessoas se espalhavam tanto que o lugar até dava a impressão de ”vazio”. Com estacionamento liberado, tinha espaço para todo mundo e sobrava, além da área de camping.

Dentro do Evento havia um restaurante all inclusive, o Culinary Experience, Além dos 100 food trucks (foi a melhor comida de toda a viagem). Para quem gosta de uma boa cerveja, haviam 2 grandes caminhões servindo diversos tipos e marcas de craft beer, cerveja artesanal.

Os banheiros tinham aos montes, eram pequenos caminhões com aparência de hotel 5 estrelas, com cabines super limpas, sem fila tanto para homens quanto para mulheres, a noite toda.

Alias, não havia fila para nada, nem para entrar, para pegar comida, cerveja ou ir ao banheiro. Ta certo que quando havia intervalo, a frenquência era maior, mas mesmo assim, eram tantos pontos de alimentação e banheiros que não havia problema.

Tudo perfeito, Let’s Rock!!

desert-trip-oldchella
Desert Trip – Oldchella 2016

–  Festival Desert Trip  –

 

Sexta-feira 7/10/2016

Dia 1

Com a luz do incrível por do sol cobrindo todos o céu com cores em tons dourados / alaranjados, a lua saindo de trás das montanhas, Bob Dylan deu o punta pé inicial no festival. Foram quase duas horas tocando sua carreira.

Perto das 9 da noite, com fogos de artifícios, cheios de energias, tocando Jumpin Jack Flash, os Rolling Stones entraram agitando o lugar, a galera explodio!! Os tiozão estavam a toda, pulando, correndo e cantando, Jagger atravessava o imenso palco, pulava, entrava correndo na passarela e assim foi por 3 horas.

desert-trip-sunset
Desert Trip – crédito: Claudia B.

rolling-stones-desert-trip
Rolling Stones – crédito: Lucas CN

Sábado 8/10/2016

Dia 2 

No dia seguinte, quem abria à noite, com aquele mesmo lindo sunset, foi o Neil Young, e ele estava muito seguro do que estava fazendo. Tocou os seus maiores sucessos, agitou com seu lado B, e segurou a ponta até o fim, até entra o Sir.

Paul McCartney dominou o público do começo ao fim da noite. Foi algo incrível ver um Beatles tocando logo alí na sua frente. E foi assim que ele abriu as mais de 3 horas de show, ao som de A Hard Day’s Night dos Beatles.

Depois de algumas músicas Sir Paul chamou novamente ao palco Neil Young para tocar algumas canções com ele. Que honra!! Eles tocaram algumas músicas juntos, entre ela A Day In The Life dos Beatles e Give Peace a Chance do John Lennon (foi sem dúvida o momento mais bonito de todo festival.

Depois desse grande dueto, Paul MacCartney voltou para tocar por mais de duas horas ainda. Ele foi o único que passou da meia noite durante o final de semana. Por lei municipal, cada minuto de som alto é cobrado mil dólares de multa. Paul MacCarneney ficou 20 minutos a mais do deadline. A reação dos organizadores do festival foi, ”Não nos importamos de pagar 20 mil dólares para ouvir um Beatles”.

give-peace-a-chance-paul-mccartney-neil-young-
Paul McCartney / Neil Young – crédito: Lucas CN

Domingo 9/10/2016

Dia 3

No domingo, o por do sol deu o start para The Who abrir à noite. Rock and Roll clássico e de ótima qualidade. Foram também duas horas de show, e repetindo o mesmo feito das duas noites anteriores, ficávamos estrategicamente perto de um bar de craft beer, banheiros e com vista para o balco e telões.

No último dia, a gente caprichou um pouco mais na localização e vista para o palco, pois era noite de espetáculo, Roger Waters estava vindo ai, e com ele, sempre coisas de outro mundo. Ele é bem conhecido pela parte visual dos seus shows. Mas no Desert Trip teve também um jogo de som e acústica incrível.

O sistema de som do de Waters fez a gente se sentir atropelado por um trem. Um trem que começou a buzinar de longe, lá trás, até o barulho monstruoso do trem passando por cima de nós e acabar no balco. Em uma segunda vez, parecia que helicopteros estavam invadindo o eventos. Você sabe que não é de verdade, tenta não olhar, mas não tem como, acaba olhando pra trás. Foi tudo muito impressionante!

O show de Roger Watres também teve um lado político, contra a opupação da palestina, contra trump e sua ”muralha”. Mas sem dúvida o que ficou marcou foi escutar Pink Floyd. Escutar Floyd sempre é bom, escutar por um dos integrantes da banda é de mais de bom!!

roger-waters-desert-trip-2016
Palco Roger Waters – crédito: Lucas CN

roger-waters-dersert-trip
Roger Waters – crédito: Lucas CN

borala-blog-desert-trip-2016
Boralá Desert Trip 2016

E assim finalizava o fim de semana mais épico, de duas semanas épicas de road trip. Saímos com o sentimento de missão cumprida da Califórnia. Ao fim a vontade era de ter comprado os dois fins de semana.

O Festival Desert Trip deixará saudade para quem esteve lá presente. Unir os senhores do Rock foi algo único!

 

Turismólogo de profissão, Lucas é o faz de tudo no Boralá (inclusive escrever em 3ª pessoa, rs), desde montar o site, otimizar os texto, tratar cada foto, mídia social etc… Lucas se diverte criando, escrevendo e claro, viajando.
Compartilhar

6 COMENTÁRIOS

  1. Ah!!! Experiências como essa carregamos pela vida!!!! Muito massa!!Achei bárbaro tudo isso e teria amado vivenciar!!!

    Shows históricos, numa mega estrutura e ainda com por do sol?! SENSACIONAL!!!!!! Ainda bem que deu tudo certo no final da saga dos ingressos! ehehe

Deixe sua crítica, comentário e mais DICAS se tiver. BORALÁ!!